Público de Osasco prestigia simpósio sobre políticas públicas para imigrantes e refugiados

0
57

A Prefeitura de Osasco, por meio da Secretaria de Desenvolvimento, Trabalho e Inclusão (SDTI) e do Comitê Gestor do Projeto Osasco Integra, promoveu  o “I Simpósio do Projeto Osasco Integra: Imigração, refúgio e políticas públicas”, para debater políticas públicas que atendam de forma efetiva o processo migratório em Osasco.

Ao analisar a realidade brasileira observamos que nos últimos anos houve um movimento crescente de grupos estrangeiros advindos tanto de países desenvolvidos quanto de países subdesenvolvidos. De acordo com o Banco Interativo Observatório das Migrações, em São Paulo existia, em 2016, no Município de Osasco, 2.767 imigrantes residentes, sendo que desses apenas 454 possuíam vínculo formal de trabalho, o que representa apenas pouco mais de 16%.

Segundo o Comitê Nacional para Refugiados (CONARE) do Ministério da Justiça, só entre os anos de 2010 e 2012 o número de pessoas que solicitaram refúgio para o Brasil triplicou. Seguindo uma tendência mundial, a quantidade de solicitações em 2016 era de 35.464 e até junho de 2018 já existiam 85.746 refugiados.

A efetiva participação social dos migrantes, sua colocação profissional e a conquista e acesso aos seus direitos é o objeto de atuação desse projeto, instaurado por meio do Decreto Nº 11.544/2017.

O objetivo do simpósio foi justamente possibilitar a reflexão, o debate e o conhecimento do processo migratório; incentivar a integração dos imigrantes na cidade de Osasco; fomentar a educação permanente e a capacitação profissional; e promover o acesso à cultura e à arte, além de trocar experiências com entidades organizadas da sociedade civil que atuam na acolhida da população.

Para que isso acontecesse de maneira ampla, o Núcleo de Estudos sobre Migrações, Gênero e Direitos Humanos; o Centro de Estudos Migratórios da Missão Paz e o Serviço Social do Comércio – Sesc/SP trouxeram palestras sobre “Contexto sócio histórico da da sociedade civil no trabalho com pessoas imigrantes”, ministrada pelo Padre Paolo Parise; e “A experiência do Serviço Social do Comércio do Estado de São Paulo (SESC/SP) no trabalho social para refugiados”, ministrada por Cristiane Ferrari, respectivamente.

Além disso, o Comitê Gestor também teve voz para apresentar o projeto e falar das suas experiências, com Érica Fernanda Ursulino Lemos, Vanie Pinto Dias e Munira Smidi palestrando.

O projeto é “encabeçado” pela Secretaria de Desenvolvimento, Trabalho e Inclusão (SDTI), mas seu comitê é intersetorial e intersecretarial. Fazem parte desse grupo, além da SDTI, as secretarias de Saúde; Cultura; Indústria e Comércio; Planejamento e Gestão; Assistência Social; Governo; Habitação e Desenvolvimento Urbano; e Educação. A Associação Cristã de Moços; a Federação das Associações Amigos de Bairro de Osasco; o Serviço Social do Comércio; a Ordem dos Advogados do Brasil Subseção Osasco; e o Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco e Região representam a sociedade civil no projeto.

Prestigiaram o simpósio o chefe de gabinete, José Carlos Vido, representando o prefeito Rogério Lins; a secretária de Desenvolvimento, Trabalho e Inclusão, Elsa Oliveira; os secretários de Cultura, Éder Máximo; e de Planejamento e Gestão, Bruno Mancini; de Indústria, Comércio e Abastecimento, Paulo Contim; os secretários adjuntos de Educação, Izilda Orlando e da Cultura, Paulo Magalhães; e o vereador Francisco de Paula, entre outros.

Palestrantes

Mediadora da Mesa de Discussão: Marcela Barbato Hoelen (Assistente Social, formada pela PUC-SP, trabalha na Secretaria de Habitação e Desenvolvimento Urbano da Prefeitura de Osasco, em projetos de urbanização de favelas).

Palestrante: sobre “Contexto sócio histórico da imigração no Brasil e seus aspectos legais”, Luís Benavides (Advogado do Núcleo de Estudos sobre Migrações, Gênero e Direitos Humanos. Possui parceria com o Centro de Integração e Cidadania do Imigrante no atendimento a pessoas imigrantes e em situação de refúgio e supervisiona o curso de português – Brasileiro oferecido nas dependências do CIC do Imigrante e CIC Francisco Morato).

Palestrante: sobre “A experiência da sociedade civil no trabalho com pessoas imigrantes”, Padre Paolo Parise (Diretor do Centro de Estudos Migratórios de São Paulo da Missão Paz. Doutor e mestre em teologia. Possui diversas pesquisas e publicações acadêmicas acerca do processo migratório e acolhido das pessoas imigrantes. Vencedor do prêmio faz diferença na categoria mundo (27/03/2019), XIX Prêmio Santo Dias de Direitos Humanos (11/04/2019) e indicado pelo ACNUR Brasil ao prêmio Gulbekink de 2017).

Palestrante: sobre “A experiência do Serviço Social do Comércio do Estado de São Paulo”, Cristiane Ferrari (Atua como Gerente Adjunta de Estudos e Programas Sociais do SESC/SP, formada em Educação Física, pós-graduada em educação física, qualidade de vida, serviço social e gestão de projetos sociais).

Palestrante: sobre “Projeto Osasco Integra”, Érica Fernanda Ursulino Lemos (Assistente Técnico Pedagógico na Secretaria de Educação de Osasco e professora universitária. Mestre em Psicologia Educacional pelo Centro Universitário UNIFIEO e pós-graduada em Formação em EAD, Neurociências, Transtornos de Aprendizagem, Educação Especial, Psicanálise e Docência de 3º grau, psicopedagogia Institucional e graduada em Pedagogia, com habilitação em Orientação Educacional).

Palestrante: sobre ‘Direitos Humanos”, Vanie Pinto Dias (Advogada graduada pela UNIFIEO, pós-graduada em Direito Público pela Universidade Federal do Paraná e também especializada em direito do trabalho e processo do trabalho e MBA previdenciário. Presidenta da Comissão de Direitos Humanos na 56ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil).

Participação especial, contando a experiência da família no processo de migração, Munira Smidi (Mestranda em psicologia educacional pelo Centro Universitário UNIFIEO, defendendo a causa dos imigrantes com o tema de representações sociais de professores sobre alunos imigrantes. Pedagoga, psicopedagoga, psicanalista clinica, ministra aulas em faculdades privadas há mais de 15 anos).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui