Cetas realiza destinação de pássaros no Dia Nacional do Observador de Aves

0
39

Na tarde de quinta-feira, dia 28 de abril, o Centro de Triagem de Animais Silvestres de Barueri (Cetas) realizou a destinação de animais silvestres, nativos da região, em uma área verde de Barueri. Foram destinados 10 periquitões-Maracanã (Psittacara leucophthalmus) e 8 periquitos-rico (Brotogeris tirica). A ação fez uma homenagem, indiretamente, ao Dia Nacional do Observador de Aves, celebrado nesta mesma data.

Para o biólogo Edilson Aparecido Pichiliani, professor de uma escola particular da região e participante da ação, a soltura, além de recolocar os animais na natureza, permite que os observadores possam se sentir representados, tendo mais oportunidades de análise das espécies. “Esta destinação permite uma maior integração, conexão e respeito com a natureza entre não apenas os observadores de aves, mas todos os que divulgam e apoiam esta iniciativa. Devemos ser multiplicadores de exemplos de preservação e conscientização ambiental”, relata o professor. 

Conscientização
Para a bióloga responsável pela destinação das aves, Vanessa Leiko Oikawa Cardoso, conscientizar as pessoas sobre a preservação e o cuidado com os animais silvestres, principalmente no contato para socorro das espécies e a comercialização, que é ilegal, inibe o crescimento do tráfico desses animais.

“O tráfico de animais silvestres só existe porque há pessoas que compram. A maioria das aves traficadas acabam morrendo, tanto por estresse, alimentação inadequada, manejo incorreto, condições insalubres, doenças. Se as pessoas querem ter um animal silvestre, tem de procurar um criatório que seja legalizado. E, ainda assim, precisa ter a consciência de que uma ave pode viver vários anos. Por exemplo, um papagaio pode viver uns 50 anos, então, é para a vida inteira”, ressalta Vanessa.

“O periquito-rico é endêmico da Mata Atlântica, ou seja, ele só é encontrado aqui. Por isso a importância de se preservar o habitat natural dele. Essas aves são importantes para o equilíbrio do ecossistema, pois elas atuam como dispersoras de sementes, ajudando na propagação das espécies vegetais, que também atuam como predadores de sementes, evitando que certas espécies vegetais se proliferem demasiadamente, além da beleza que elas trazem para a paisagem”, detalha a especialista.

O papel do Cetas
O Cetas atua na identificação, triagem, reabilitação e destinação de animais silvestres oriundos de posse ilegal, resgate, vítimas de acidentes e de tráfico. Esse último coloca em risco a vida dos animais e impacta todo o ecossistema local, trazendo prejuízos irreversíveis aos biomas afetados.

Fonte: Secom – Prefeitura de Barueri