Está cansado da pandemia? HMB explica por que e como lidar com essa sensação

0
70

As medidas restritivas podem afetar a saúde mental, mas é possível buscar ajuda profissional

No primeiro mês do ano é comum as pessoas fazerem projetos, como estudar, mudar de emprego e aprender uma nova língua,  mas geralmente a parte emocional não entra na lista de planos. Por isso o Hospital Municipal de Barueri Dr. Francisco Moran (HMB) aproveita o Janeiro Branco, período voltado para o cuidado da saúde mental, para esclarecer os impactos causados pela pandemia de Covid-19 e como tratá-los. 

Distanciamento social, isolamento domiciliar, uso de máscaras e álcool  em gel, trabalhar de casa e evitar contato físico são alguns exemplos de alteração na rotina da população e quase um ano depois, já que o primeiro caso confirmado no Brasil apareceu em fevereiro, ainda é difícil e exaustivo lidar com tantas mudanças.

“As pessoas estão cansadas! É como se fosse uma fadiga de todas essas medidas restritivas. Porque com a quarentena surgiram muitas dificuldades e todo mundo acabou experimentando algum tipo de perda, seja de um ente querido, de renda, de emprego, de educação, de estar com a família ou de eventos. Tudo isso levou ao estresse, à solidão, ao tédio e esses sentimentos acabam impactando de forma negativa na saúde mental”, comenta Bruna Vieira, psicóloga de referência do HMB, que associa esse cansaço à limitação de pensar nas consequências do relaxamento.

Ciente do impacto na saúde emocional dos familiares, que não podiam visitar os pacientes internados devido ao risco de contaminação pelo novo coronavírus, a unidade disponibilizou acolhimento psicológico por contato telefônico. Entre abril e outubro, período  em que as visitas estavam suspensas, foram realizados cerca de 1000 atendimentos pela equipe de psicologia.

“Por meio da família conseguimos ter um filtro e entender como o paciente está evoluindo, como está entendendo o processo da internação em um momento de extrema fragilidade e solidão. Então, é importante oferecer suporte, ter empatia e proporcionar espaço para que eles possam expressar o sofrimento, a angústia e a forma como estão enfrentando a doença. Assim é possível avaliar os recursos psicológicos que possuem para lidar com o sofrimento psíquico”, esclarece a psicóloga.

Desde novembro o atendimento psicológico da unidade é feito pessoalmente por interface da equipe multidisciplinar e também pela busca ativa nos setores. Independentemente da forma de acolhimento, presencial ou à distância, é importante destacar que o cuidado com a saúde mental é fundamental e que medidas acessíveis podem ajudar no dia a dia. “De forma prática é possível começar pelo autocuidado: olhar para si mesmo e para a própria vida; manter-se ativo diariamente; procurar equilíbrio entre as responsabilidades e o lazer; ter uma boa noite de sono para recarregar as energias; manter os cuidados básicos com o estilo de vida saudável e a alimentação; e, principalmente, compreender que precisa de suporte, que ninguém precisa estar sozinho em um momento de dificuldade, que é possível procurar um psicólogo ou um psiquiatra”, explana a psicóloga, que recomenda a busca de ajuda profissional, afinal, muitas pessoas desenvolveram crise de ansiedade e depressão durante a pandemia.

Fonte: Secom – Prefeitura de Barueri